top of page
Original.png

CULTURA WOKE: ORIGEM, FONTES TEÓRICO-FILOSÓFICAS E SEU VIÉS GNÓSTICO

Livro digital, Belém: RFB, 2024
Cláudio Gonçalves Pacheco

ISBN: 978-65-5889-712-5

DOI: 10.46898/rfb.

406bbf33-41bd-4055-98cb-611db9baf489

Presentación

É com a grata satisfação que apresento ao público este livro que trata de questões relacionadas às discriminações negativas sistêmicas, como o racismo, o ativismo LGBTQ+, as questões de gênero e sexo, o feminismo interseccional, ambiental e dentre outras discriminações infligidas às diversas minorias sociais, que julgo serem as pautas mais sensíveis e caras à cultura woke, nunca tão em voga na contemporaneidade.
O estímulo primeiro desse trabalho foi jogar luz, de forma despretensiosa, sobre a face oculta da lua, não vista por muitos em temáticas de direitos humanos, que, sob o crivo de lentes bibliográficas discordantes da narrativa woke, nem sempre estão acessíveis ao público em geral e ao corpo discente nas academias, sejam públicas ou privadas.
En passant, abordo questões relacionadas à moral tributária vinculada ao desprestígio que os wokes dispensam ao valor mérito, oportunidade em que externo o meu tenaz repúdio à tributação progressiva e à tributação sobre a herança, ainda que reconheça a consistência lógica da tributação sobre o espólio ou mesmo sobre a doação, tão só a critico se realizada sem colocar na equação o grau de corrupção de cada governo, pois quanto maior for esta, menor e tendente à zero deverá ser aquela.
Sob um purismo justributário, pode-se objetar que não se deve “confundir alho e bugalho”, isto é, fazer a confusão entre a política pública tributária com a política pública criminal, pois são campos de ação de gestão pública que não se conectam. Todavia, ouso discordar daqueles que assim pensam, como John Rawls e Thomas Piketty, mas postulo a inserção do grau de corrupção na equação da aludida lógica tributária sobre a herança com espeque no pensamento de Vivek Ramaswamy, Ludwig von Mises e sobremodo em Klaus Tipke, notadamente em sua obra “Moral tributária do estado e dos contribuintes.”
Selecionei um considerável referencial bibliográfico para a feitura deste trabalho, todavia, tive que deixar de ler e mesmo consignar na obra inúmeras resenhas produzidas e textos próprios, pois apressei a editoração para não perder o prazo de inserção  no Relatório de Atividades Docentes da Universidade Estadual de Goiás, que expira em 3 de março próximo. Assim, quando possível, numa próxima edição, desejarei trazer novas considerações e reflexões acerca da cultura woke.
Então é isto, espero que apreciem.
Fevereiro/2024.
Cláudio Gonçalves Pacheco

Data de publicação:

28 de fevereiro de 2024 19:10:47

Gostou? Comente!
Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page